quinta-feira, novembro 03, 2016

1631. Falar "disciplinês"

No futebol inglês não há cá funfuns nem gaitinhas. O treinador José Mourinho contestou as decisões do árbitro no último encontro e foi expulso. Por isso levou um jogo de suspensão como castigo. Por ter feito o mesmo num jogo anterior com o Liverpool foi condenado a uma multa de 55 mil (cinquenta e cinco mil) euros. Mourinho aceitou as penas, sem contestar. Em Portugal, em Agosto deste ano, um treinador de um clube de futebol, onde consta aufere um salário próximo dos 8 milhões de euros anuais (assim tipo umas 16 vezes mais do que o presidente da CGD por quem barafustamos tanto), foi condenado a 765,00 euros (setecentos e sessenta e cinco euros), ou seja, trocos, pela Federação Portuguesa de Futebol num caso idêntico ao de José Mourinho e não foi suspenso, apesar de ter sido expulso como aconteceu a Mourinho. Ainda assim caiu o Carmo e a Trindade e ou muito me engano mas este post vai ser lido com raiva pelos "amigos" (circunstanciais, é certo) do tal treinador e se calhar merecedor de algum comentário de reprovação. Entretanto siga a bagunça, vamos lá todos para a rua ajudar a GNR a procurar um tal presumível homicida de Aguiar da Beira e a contestar o salário do gestor António Domingos porque a CGD, em relação ao futebol, não tem a mínima importância económico-financeira para o país.
PS. Por falar no homicida de Aguiar da Beira, ninguém se apercebeu de que a polícia norte-americana deteve em menos de 24h o homicida de dois polícias num tiroteio ocorrido anteontem no estado do Oiho?

segunda-feira, outubro 31, 2016

1630. Falar o halloweenês de fevereiro

Quem inventou o carnaval que se dane! Inventar um carnaval num dia normalmente frio como o caneco e, raramente não chuvoso, com os carros alegóricos de Ovar a Loulé, da Bairrada a Torres Vedras, de Sines a Sesimbra, de Elvas ao Funchal, a desfilarem encharcadinhos, com aquelas meninas de rabinho ao léu a tremerem de frio, com as matrafonas encharcadas até aos culotes e mesmo assim a atirarem balões de água como se a que S. Pedro manda lá de cima não fosse suficiente, os comerciantes a queixarem-se que "este tempo é um desastre para o negócio", com os carnavais a serem adiados para o domingo magro seguinte, quando na quarta feira anterior já se tinha feito enterro do bacalhau e a malta toda a tirar fotografias entre cabeças nas multidões e a ficarem  nas fotos mais cabeças apanhadas por detrás, algumas já carecas e tudo do que palhaços, matrafonas e cabeçudos com as caricaturas do Passos, do Cavaco, do Pinto da Costa e de outras celebridades, quem foi o inventor dessa treta que se dane, se bem que aqueles rabinhos ao léu, mesmo molhados e tudo, não seja coisa para desprezar ainda que a bota não bata com a perdigota, isto é, aqui não é o Brasil, não faz 40º em fevereiro como no Rio de Janeiro onde, mesmo com chuva, nenhuma mulata tem frio no bumbum. Então que se dane o inventor dessa  coisa chamada Carnaval, pois quem sabe da poda são os americanos e não fossem eles umas doçuras que sairia logo aqui um post cheio de travessuras. Eles é que sabem, Inventaram um carnaval em outubro e os tugas, ou seja, cá a malta, à falta de um carnaval com calor em fevereiro, celebramos o halloween como se fosse nosso, com 27º à sombra e viva o aquecimento global e vivam os states, já agora com a Hilária em vez daquele Donald  que cheira a Trampa e uma foto no FB com uma abóbora na cabeça é bem mais gira do que as traseiras das cabeças da multidão a olhar para cima e a atirar serpentinas e papelinhos, encharcados, está bem de ver, às meninas dos carros alegóricos, vai não vai, empanados no meio das avenidas, se não andas deixa os outros passarem, caraças, mas com a grafia do norte. Pois bem, venham de lá essas selfies vestidas com fatinhos de esqueleto, chapéus de bruxa e que engraçado, ninguém se lembra de substituir a abóbora por um cartão moldado com as fuças do Costa, da Catarina ou Jerónimo que isso é no carnaval, aqui não há bruxas para fazer mover a geringonça. Quem continua a tentar embruxar isto tudo é o Passos, mas eu nem digo lagarto, lagarto, lagarto que depois me chamam faccioso. Lá lá lá lá era eu a cantar, mas ainda bem que aqui não se ouve e escapo de uma vassourada bem assente. Adeus e até ao próximo halloween.

terça-feira, outubro 18, 2016

1629. Lunch Time Blog

É a Justiça, estúpido!

Uma mania, provavelmente parva, que tenho quando almoço em casa é assistir a noticiários na televisão. Misturar uma posta de cherne grelhada com uma salada mista ainda vá que não vá. Agora misturar um branquinho da região de Palmela com pensões de alimentos, ou não me sabe bem o vinho ou tenho uma náusea inesperada. Mas como eu gosto de cada coisa no seu lugar, vamos lá por partes.

Senhor António Costa, senhor Jerónimo de Sousa, senhora Catarina Martins, vamos lá ver se nos entendemos. Quando eu voto num partido político para que só, ou em coligação, mesmo que parlamentar e geringonciamente tática, venham a formar governo, não transporto para a urna de voto nenhuma paranoia "deficitária". Isto é, o orçamento e o déficit não são as minha metas, se bem que não deixe de lhes dar o relevo que devem merecer. Como diria Jorge Sampaio, nosso PR  já ex, «há mais vida para lá do déficit». E é por isso, meus caros condutores de uma geringonça, que eu estimo e apelo para que se não desmantele, que vos digo que o vinho do almoço, não me caiu nada bem. Nem a bela manga, de avião, dizem eles, esta agora dos aviões darem mangas é que me deixa perplexo, que comi de sobremesa, me impediu que tivesse tido ido à náusea. Felizmente que as minhas gatas estavam de barriga cheia, quando não teriam vindo a miar em meu socorro.

E então, para que o "vamos lá por partes" se complete, eu sou todo olhos, ouvidos, nariz e tatos, pontas dos dedos incluídos, para as políticas de saúde, de educação, de planeamento territorial, de economia, de finanças, de justiça e isso, está bom de ver, para além de outras. E se a porca torce o rabo em algumas destas matérias, na Justiça, coitadinha da porca, torce-se toda como se estivesse tomada pelo demo. Se calhar até é por isso que nem judeus, nem muçulmanos partilham do gosto pelo belo toucinho, como eu partilho, se calhar é mesmo porque a porca da justiça, ai perdão, porque a porca torce muito mais do que o rabo no que diz respeito à Justiça. Ia o meu garfo no ar com uma bela lasca do cherne, aloirado pelo calor da chapa, e que nem proveitinho me fez, porque se estava de boca aberta para a receber, assim fiquei, largos segundos, como que possuído. Então não é que passava na televisão a notícia de que uma mãe estava há 20 anos (eu vou repetir, por extenso, para que não fiquem dúvidas), há vinte (!!!) anos à espera da pensão de alimentos para um filho? Bom isto já seria motivo para que o cherne não mais entrasse na boca. Mas como os nossos gestos são reflexivos, o Pavlov explicará isso melhor do que eu, a garfada invadiu-me o palato, depois a faringe e em vez de se dirigir ao esófago, caiu-me no goto. Tossi, tossi, tossi e estava eu neste meu tossir engasgado, quando ouvi o jornalista dizer que o Tribunal de Menores de Torres Vedras informou o canal de televisão de que o processo estava a decorrer nos prazos normais. Normais (!), leram bem? Noutras circunstâncias teria desatado a rir, mas nesta apenas vos posso dizer que passei da tosse convulsiva à náusea.

Vá lá senhora Ministra da Justiça, faça coisas bonitas, vá lá. Se não, é tudo a dizer mal da geringonça e ainda vamos ouvir esta gente a dizer que os donos dos patrimónios imobiliários de luxo, apesar das cristas levantadas, pagam agora menos com este novo IMI da Mortágua do que com o imposto de selo do Sócrates/Coelho. E se calhar é verdade, não é? Desvie-lhes a atenção e ajude a que a nossa Justiça passe a funcionar. Era cá uma finta, que qual Messi, qual Ronaldo...

PS. Obviamente que a Florinha e a Charline, as minhas gatas de estimação, me disseram que isso passava melhor com um copinho de água, mas eu teimei no branco de Palmela. São gostos...

1628. Lunch Time Blog

É a Justiça, estúpido!

Uma mania, provavelmente parva, que tenho quando almoço em casa é assistir a noticiários na televisão. Misturar uma posta de cherne grelhada com uma salada mista ainda vá que não vá. Agora misturar um branquinho da região de Palmela com pensões de alimentos, ou não me sabe bem o vinho ou tenho uma náusea inesperada. Mas como eu gosto de cada coisa no seu lugar, vamos lá por partes.

Senhor António Costa, senhor Jerónimo de Sousa senhora Catarina Martins, vamos lá ver se nos entendemos. Quando eu voto num partido político para que só, ou em coligação, mesmo que parlamentar e geringonciamente tática, venham a formar governo, não transporto para a urna de voto nenhuma paranoia "deficitária". isto é, o orçamento e o déficit não são as minha metas, se bem que não deixe de lhes dar o relevo que devem merecer. Como diria Jorge Sampaio, nosso PR  já ex, «há mais vida para lá do déficit». E é por isso, meus caros condutores de uma geringonça, que eu estimo e apelo para que se não desmantele, que vos digo que o vinho do almoço, não me caiu nada bem. Nem a bela manga, de avião, dizem eles, esta agora dos aviões darem mangas é que me deixa perplexo, que comi de sobremesa, me impediu que tivesse tido ido à náusea. Felizmente que as minhas gatas estavam de barriga cheia, quando não teriam vindo a miar em meu socorro.

E então, para que o "vamos lá por partes" se complete, eu sou todo olhos, ouvidos, nariz e tatos, pontas dos dedos incluídos, para as políticas de saúde, de educação, de planeamento territorial, de economia, de finanças, de justiça e isso, está bom de ver, para além de outras. E se a porca torce o rabo em algumas destas matérias, na justiça, coitadinha da porca, torce-se toda como se estivesse tomada pelo demo. Se calhar até é por isso que nem judeus, nem muçulmanos partilham do gosto pelo belo toucinho, como eu partilho, se calhar é mesmo porque a porca da justiça, ai perdão, porque a porca torce muito mais do que o rabo no que diz respeito à justiça. Ia o meu garfo no ar com uma bela lasca do cherne, aloirado pelo calor da chapa, e que nem proveitinho me fez, porque se estava de boca aberta para a receber, assim fiquei, largos segundos, como que possuído. Então não é que passava na televisão a notícia de que uma mãe estava há 20 anos (eu vou repetir, por extenso, para que não fiquem dúvidas), há vinte (!!!) anos da pensão de alimentos para um filho? Bom isto já seria motivo para que o cherne não mais entrasse na boca. Mas como os nossos gestos são reflexivos, o Pavlov explicará isso melhor do que eu, a garfada invadiu-me o palato, depois a faringe e em vez de se dirigir ao esófago, caiu-me no goto. Tossi, tossi, tossi e estava eu neste meu tossir engasgado, quando ouvi o jornalista dizer que o Tribunal de Menores de Torres Vedras informou o canal de televisão de que o processo estava a decorrer nos prazos normais. Normais (!), leram bem? Noutras circunstâncias teria desatado a rir, mas nesta apenas vos posso dizer que passei da tosse convulsiva à náusea.

Vá lá senhor Ministro da Justiça, faça coisas bonitas, vá lá. Se não, é tudo a dizer mal da geringonça e ainda vamos ouvir esta gente a dizer que os donos dos patrimónios imobiliários de luxo, apesar das cristas levantadas, pagam agora menos com este novo IMI da Mortágua do que com o imposto de selo do Sócrates/Coelho. E se calhar é verdade, não é? Desvie-lhes a atenção e ajude a que a nossa Justiça passe a funcionar. Era cá uma finta, que qual messi, qual ronaldo...
PS. Obviamente que a Florinha e a Charline, as minhas gatas de estimação, me disseram que isso passava melhor com um copinho de água, mas eu teimei no branco de Palmela. São gostos...

quinta-feira, setembro 15, 2016

1627. Lunch Time Blog (revisited). Favas com futebol.

Cheira-me lá dentro à morcela e à cacholeira, às ervas aromáticas e ao entrecosto no estrugido que promete. As favas estão quase a invadir a panela e dou uma vista de olhos pelos jornais desportivos. Como não sou masoquista, quase só leio as "gordas". Não sou um saudosista, mas tenho saudades. Lembro-me de Carlos Miranda, de Aurélio Márcio, de Carlos Pinhão, de Alfredo Farinha e comparo-os, dececionado, a escribas de hoje em dia. Meu Deus quanta diferença. Bem sabemos que hoje há mais canais de televisão que as mães que os pariram, mas como era belo ler uma crónica de um jogo que não vimos e estarmos "lá dentro" do próprio jogo. E no momento do golo escrito nos apetecer gritar goooollllooo a plenos pulmões, mesmo quando esse golo já tinha acontecido vinte e quatro horas antes. Que pena a imprensa desportiva escrita ter descaído tanto e agora, para vender jornais, se decida pela opinião escrita de adeptos famosos (adeptos a quem a televisão deu fama, mesmo que advenha de minutos consecutivos a insultarem-se uns aos outros). Mas hoje, neste LTB ainda consegui sentir o perfume da pena de Santos Neves, não sei se inebriado pela sua escrita inteligente e assertiva se num misto de palavras com o aroma de umas favas com entrecosto numa tarde que se apresenta com menos 15 graus 15, que a tarde homónima de há uma semana atrás. Cheira-me a favas com entrecosto, cheira-me a outono, que quase me bate à porta e só já me falta escolher o vinho. Os jornais desportivos estão já arrumados, daqui a pouco é hora de reler Saramago, de preparar mais umas aulas de fotografia. Acho que vai ser alentejano. Regional, que os enchidos também o são! Só o meu Schubert não me fará companhia neste novo LBT. Partiu há mais de dois anos e será lembrado por muitos mais. Quanto ao Lunch Time Blog, se o ou os governos não aplicarem um imposto direto sobre quem escreve blogs, talvez eu venha a (re)tomar-lhe o gosto. Desculpem partir assim, repentinamente, mas já tenho o almoço na mesa.

PS. Ainda há tempo para um PS. O Schubert era o meu gato siamês. Era lindo!

segunda-feira, julho 18, 2016

1626. Roast

Costumo achar, como se diz agora noutras linguagens que não vêm a propósito, que tenho um critério muito largo no que respeita ao humor. Chego mesmo, por vezes, a sentir-me isolado ou deslocado quando esboço um sorriso enquanto os outros que me estão perto parecem estar num velório. Não admira pois que ainda hoje, apesar de ter visto dezenas de vezes as mesmas cenas, "parta o coco" a rir com Vasco Santana, com António Silva, com Ribeirinho e que, a imagem do eterno compère  Eugénio Salvador me seja, também, tão presente.  Raul Solnado é para mim (a expressão ainda se não usava nessa altura) o melhor ator em stand-up comedy que alguma vez vi e ouvi e o grande José Viana o homem a quem melhor escutei a contar uma anedota. Não por ser intelectualmente correto dizê-lo, mas porque não me revejo em anedotas contadas como sketchs televisivos, não faz parte das minhas preferências o humor tipo «Malucos do Riso», pese embora o meu anunciado critério largo, confessando, no entanto, que em um ou outro momento tenha soltado uma gostosa gargalhada. Nunca conheci um comediante "tão sério" como Mário Viegas e ainda hoje não ouvi ninguém ler um poema de Mário-Henrique Leiria como ele em que não sabemos se havemos apenas rir ou, em alternativa, chorar a rir.  Herman José  fez-me, durante muitos anos, sentir apaixonado pelos seus programas de humor e até  com os Gato Fedorento ri a bom rir (já sei que vou levar porrada de alguém). E vi também aparecer em programas mais recentes (?) como o «Levanta-te e Ri» alguns personagens que me alegraram os serões televisivos, como o Bruno ou o Serafim.


Vem este relambório a propósito de uma coisa que ontem passou na SIC Radical, chamada «Roast». Já sei que a resposta ao que vou dizer é que só vê quem quer, quem não quer muda de canal. Mas isso é treta. Então nunca poderia haver crítica. Toda a gente mudaria de canal quando a coisa não prestasse (ou não gostasse) e, pronto, mandava-se às urtigas a análise crítica e o direito à opinião contrária. Felizmente tenho bom estômago e não vomitei durante o programa. Consistia aquela coisa (chamo-lhe coisa porque não consigo arranjar um adjetivo qualificativo para aquilo) em apresentadores e criadores de programas da SIC Radical aproximarem-se do microfone para falarem mal dos colegas presentes, embora também o tenham feito de ausentes, pretendendo ter piada nas suas apreciações. O que se assistiu foi a um rol de ordinarices em que quase todos referiam que cada um dos outros e das outras só tinha conseguido um programa na SIC Radical porque passavam o tempo a fazer bobós ao seu diretor ou a dar-lhe o rabo. E isto ainda era, talvez, o menos ofensivo. E os outros que depois viriam insistir na mesma tecla quando chegava a sua vez riam feitos papalvos destas insinuações, fazendo até crer o espectador que poderia ser verdade. Houve então um que saiu na rifa aos restantes colegas e passou a noite toda a ser apelidado de paneleiro e sempre com um sorriso na cara. Culminava a apresentação com cada um a falar mal da própria SIC Radical, provavelmente na única verdade que diziam, pois o resto era pressuposto ser apenas piada (?????), referindo que a SIC Radical havia batido no fundo. Recuso-me referir os nomes dos protagonistas para não propagandear tão baixa qualidade mas abro duas exceções. A primeira é para a blogger Pipoca Mais Doce . A senhora até escreve umas coisas giras, conseguiu uma legião de fãs, tem, provavelmente, o blog mais lido na blogosfera, é profissional contratada por várias marcas, ganha uma pipa de massa assim, aceito, obviamente, que merecidamente e esteve menos mal na apreciação dos companheiros, não caindo na ordinarice pura e dura, malgré não ter resistido a chamar puta a uma outra que lá estava. Acho que a Ana Garcia Martins não precisava de ter aceitado aquele convite, mas da carteira de cada um, cada um é que sabe e é lá com ela. A outra para o diretor da SIC Radical, um tal Boucherie que é mais conhecido por ser júri no programa «Ídolos» e ter gozado com a deficiência de um concorrente efetivamente deficiente do que por ser diretor daquele canal do cabo. E refiro-me a ele porque fiquei com a impressão de que ele não estava nada envergonhado com aquilo a que assistiu. Se fosse eu o diretor, apesar do meu estômago ser bastante resistente era capaz de ter levado um baldinho comigo. É que ao vivo e a cores não sei se conseguiria resistir ao vómito.

quinta-feira, novembro 12, 2015

1625. A privatização da TAP



O lado para o qual me deito melhor é o de considerarem esta minha opinião de esquerda ou de direita. Posto isto, afirmo que a minha convicção é de que uma companhia aérea comercial não me parece estratégica para a economia e desenvolvimento de um país. Nem que esse país se chame Portugal e tenha relações (hoje em dia relevadas pelo PR na constituição do governo) privilegiadas com a CPLP e nas suas rotas inclua Moçambique, Angola, Guiné e por aí fora... e, se calhar também a Guiné Equatorial que o (ainda)  governo atual colocou no mapa dos países lusófonos. Uma empresa que tem mais de 100 milhões de prejuízos anuais, quanto mais depressa um governo se ver livre dela, melhor.  E a mais um governo (e outros anteriores) que deveriam corar de vergonha por pagarem salários principescos (quantos salários mínimos isso dá, quantos?) a gestores de uma companhia que acumula, ano após anos, prejuízos. Até abriria um parêntesis para dizer que se alguém a compra não será para perder dinheiro, antes pelo contrário e que, como consequência, porá no olho da rua todos estes gestores incompetentes. Se o não fizer e a TAP passar a dar lucros então o que o próximo governo tem de fazer é colocar os atuais gestores em tribunal por eventual boicote à economia nacional. Mas posto isto, o que me leva hoje a escrever este post não é facto de eu achar que a TAP deve ao não deve ser privatizada. Já dei isso de barato. O que eu quero chamar a atenção é para o oportunismo e falta de caráter de um governo demitido avançar com este processo à revelia de uma nova maioria parlamentar que o relegou para fora das portas de S. Bento. É que nesta política de vale tudo não sobra vergonha na cara a estes descarados.  As metas do deficit justificam isto? E a dignidade de quem quer ser, aos olhos dos outros efetivamente digno, hein? Não vale nada?

sexta-feira, maio 01, 2015

1624. O direito à greve


O direito à greve foi, em quase todo o mundo e em Portugal apenas após o 25 de abril de 1974, uma conquista dos trabalhadores. É bem provável que mais de metade dos trabalhadores portugueses de hoje nunca tenham trabalhado antes do 25 de abril de 1974 ou que já tenham nascido com este direito adquirido, alguns dos quais sem lhes passar pela cabeça que este direito já custou muito sangue, muito suor e muitas lágrimas. Sou totalmente contra aqueles que afirmam que este direito deve ser usado parcimoniosamente.  A greve deve ser usada como uma arma de quem trabalha contra as agressões de que são vítimas enquanto trabalhadores, agressões ao seu direito ao trabalho, ao seu direito a uma remuneração justa e até ao seu direito ao descanso.  

Vem este meu texto hoje, a propósito das duas greves anunciadas para, ou a começar, no dia 1º de maio, dia do Trabalhador num grande número de países do mundo. A greve dos pilotos da TAP e a greve dos trabalhadores do comércio. Se à greve dos trabalhadores do comércio está para mim fora de questão não lhe dar o meu total apoio, dada a justeza das reivindicações, já em relação à greve dos pilotos da Tap tenho a maior das reservas. No entanto, é esperado que uma e outra tenham níveis de adesão e até mesmo motivos para a não adesão completamente diversos.

Os trabalhadores do comércio convocados foram os das grandes superfícies de distribuição. Está condenada à partida, quer ao nível da adesão, quer ao impacto mediático. O impacto mediático está praticamente reduzido a zero dada a simultaneidade com a greve dos pilotos da Tap e do que esta representa parece representar para a privatização anunciada. Mesmo os critérios jornalísticos, que é uma direção para a qual não vou agora intensamente disparar não estão para aí virados. O que é isso de relevante de licenciados em relações internacionais ou em patologia forense, ou apenas com o "miserável" 12º ano,  estarem a ganhar 2,00 € por hora em lojas dos centros comerciais?  Se é para falar em miséria que se façam reportagens na China, na Coreia do Norte ou em Cuba...

"Mas os trabalhadores do comércio também não aderiram à greve", poderá, quem lê, argumentar. Pois, não! Reitero eu. Caminha-se a passos largos para a destruição dos direitos conquistados pelos senhores do capital com a conivência dos governos democraticamente eleitos. Quem é que, mesmo ganhando miseravelmente, com contatos precários de 3 e 6 meses (falaram-me já de casos de contratos mensais), com quase 1 milhão de desempregados à espera e bocas em casa para sustentar, estudos para pagar, medicamentos, muitos destes trabalhadores andam a trabalhar doentes, vidé o comunicado do sindicato, transportes, vestuário e renda de casa, se pode dar ao luxo de ceder o seu lugar a outro? Nem que morram no posto de trabalho, não "poderão" fazer greve.

Quanto à greve dos pilotos são outros quinhentos. Mas essa é amplamente debatida nos media.

Miguel Torga escrevia no seu Diário, em 1946. O Portugueses são imbecis ou por vocação, ou por coação ou por devoção.

A atender às sondagens, por devoção não tenho dúvida. Como por vocação é tão evidente que nem vale a pena argumentar, resta-me dizer que sob coação, se calhar, até eu sou português.