terça-feira, junho 15, 2010

1528. Emoções

Ele há dias em que as emoções tomam-nos conta do corpo e da mente e por mais que a gente pense o que vai fazer (neste caso escrever) as pontas dos dedos apresentam-se-nos tolhidas, parece até que a caneta emperra ou as teclas queimam, Outros há em que as mesmas emoções se colam à flor da pele e são elas que comandam a mente e libertam o físico e somos capazes de correr como se tivéssemos asas ou voássemos como se fossemos peixes, E ainda outros dias mais ou menos controlados e controláveis pelas ditas emoções, que fazem o papel de racionais o que contraditoriamente não são nada emotivas ou se o foram já foram antes. Em mim, as emoções actuam das três maneiras descritas e se há mais perdoem-me as leitoras e os leitores mas não as consegui caracterizar e, tão depressa me prendem os movimentos como me mandam sentar rapidamente e em força em frente do teclado e ordenam-me que desabafe, que conte, que conte a rir, que ria a chorar, que ria e que chore e que deixe soltar a gargalhada, quando de gargalhada o motivo é e até mesmo que morda um lábio por que é o que está mais perto dos dentes, já que a fazê-lo à língua seria, pressupostamente mais doloroso. Pois é inundado de emoções que hoje vos digo que acabei de assistir ao mais recente (provavelmente amanhã haverá outro) doutoramento no Instituto Superior Técnico. E a doutorada é a minha filha Ana, de quem vos falo amiúde neste blog e que, juntamente com o meu filho João são o orgulho da minha existência. E não me digam que não é para viver as emoções desta maneira, com uma lágrima no olho mas com um sorriso a desenhar-me no rosto um traço de orelha a orelha. E logo a mim que até tenho umas orelhas muito sui generis.

2 comentários:

Janita disse...

E motivo de orgulho, sim senhor!
E deve viver as emoções com uma lágrima no canto do olho ou deixá-las correr pelas faces.
Parabéns aos felizes papás da Ana e do João.
( a minha filha também se chama Ana)

Beijinhos

Constantino, Guardador de Vacas disse...

Neste dia estava meio nervoso. Até o post 1538 foi numerado como 1528.