quinta-feira, setembro 29, 2011

1586. Lembranças

Lembro-me de muitas coisas. Mesmo muitas. Umas mais interessantes que outras, outras menos. Lembro-me de uma vez ele ter faltado à aula que tinha de dar numa certa quarta-feira. Ficamos com pena, pois gostávamos muito das aulas dele. Na semana seguinte pediu-nos desculpa e disse-nos que tinha estado constipado. Nas bocas de alguns de nós havia um pequeno sorriso amarelo. Tínhamos sabido, durante a semana que tinha decorrido, que ele tinha passado algumas noites nos calabouços da PIDE. Lembro-me de uma ocasião ele, na sua missão de sacerdote, ter casado um primo meu. Na fila por detrás da minha, quase junto à porta da igreja, estava uma senhora, que não me recordo se foi convidada ou se seria uma daquelas senhoras que costumam passar o seu tempo na igreja, a que o vulgo designa por beata. A frase da senhora que retive foi coitadinho, tão bom rapazinho, que pena ser casado pelo padre comunista. Não acredito que o fossem. Nem o meu primo coitadinho, nem o padre comunista. E mesmo que o segundo o fosse, isso não teve influência nenhuma no casamento. O meu primo está casado há mais de quarenta anos. Finalmente, quando um grupo do meu liceu decidiu começar um processo de alfabetização num bairro de barracas que existia em Almada, fui um dos designados para ser recebido pelo então Presidente da Câmara Municipal. Estavamos em 1971 e o regime em vigor no país era a ditadura do Estado Novo, continuando Marcelo Caetano a obra de Salazar mas que, por algumas tentativas de reforma liberal, alguns ainda ousaram chamar de primavera marcelista e que nesse ano já se esfumava. O Dr. Serafim Silveira Júnior, Presidente da Câmara, pessoa de boa educação e trato cordial, não sem o seu quê de demagogia, mas parece que não há cão nem gato que não a faça, colocava várias reticências em nos fornecer o equipamento necessário para a concretização de uma sala de aulas no meio das barracas. Quando eu lhe disse que se o Sr. Presidente o não fizesse tínhamos alternativa, pois o Sr. Padre António Augusto Sobral já se teria disponibilizado para o fazer, a conversa mudou de rumo e, poucos dias depois, a nossa barraca/sala de alfabetização estava equipada e a funcionar. Isto é ilustrativo do respeito que o padre Sobral merecia.

Sem qualquer motivo aparente, nem eu sei explicar porquê, hoje lembrei-me do padre Sobral. Que seria feito do meu professor de Religião e Moral dos meus tempos de Liceu? Procurei na Internet e constatei que o padre António Augusto Sobral falecera em Julho de 2008. Senti uma certa comoção e arrepiaram-se-me os pelos do corpo. Que esteja em paz, aquele que foi um grande humanista e um dos meus primeiros mentores pela causa da liberdade.

4 comentários:

Teté disse...

Há professores (e outras pessoas) assim, que nos marcam pela sua verticalidade e postura na vida! E é sempre bom que não as esqueçamos... :)

Beijocas!

Boop disse...

Nem sempre percebemos os meandros das nossas memórias, mas somos feitos de todas as pessoas que deixaram uma marca na nossa vida. A religião, uma filiação política, são apenas movimentos que nos permitem dar o melhor (ou por vezes o pior) de nós.
Vale o que somos!

Mirian Martin disse...

Uma lembrança que me fez viajar no tempo e espaço junto com você. Pessoas de fibra sempre nos tocam.

bjs

Janita disse...

Ha pessoas que deixam marcas profunda em nós, ainda que passem fugazmente pela nossa vida.
Compreendo o que sentiu, quando soube do desaparecimento desse homem que tão beneficamente o influenciou.
O respeito e a admiração ficarão para sempre.
Um beijinho.