segunda-feira, setembro 26, 2011

1586. A frente ribeirinha de Almada


Calcorreio, vezes sem conta, o passadiço do Ginjal, de Cacilhas ao jardim do miradouro, do miradouro a Cacilhas. Desço do Cristo-Rei à Arealva, da Arealva ao Olho-de-Boi e faço o percurso inverso, todas as vezes com uma esperança. Uma esperança vã de um dia encontrar uma zona ribeirinha de Almada digna desse nome. Bonita, atraente, amiga dos almadenses e de quem nos visita. É chocante a degradação em que, dia após dia, encontramos aquele que poderia ser o ex-líbris da cidade: o seu confronto com o rio, a irmã do sul da capital. Não o posso garantir, mas quase que juraria, que a recuperação da frente ribeirinha desde o Caramujo ao Forno do Tijolo já deve ter sido prometida pelo menos umas trinta vezes em campanhas eleitorais. Quase que juro.









Ontem uma vez mais desci à Arealva, assim é o nome da quinta onde até há pouco menos de cinco anos eram as instalações da Sociedade Vinícola do Sul de Portugal, propriedade de J. Serra e Irmãos (a propósito, tenho ainda alguns Dãos e Douros de coleção, além de uma aguardente vinícola de estalo desta firma). Quando esta sociedade decidiu encerrar a atividade, centenária naquela zona, consta-se que vendeu a quinta não se sabe bem a quem. Pronto, poderia por aqui um ponto final. É propriedade privada, fique-se por aqui. Mas não, não acho que deva terminar. Não sei a quem pertence a jurisdição daquele território, se à Câmara Municipal de Almada ou se à APL. Seja a uma ou a outra, a única coisa que vos digo é que tenham vergonha na cara. Não sabem como se faz, mesmo sendo propriedade privada? Não sabem? Gastam tanto dinheiro em tanta porcaria, metam-se no carro e dêem uma voltinha por essa Europa fora. Comecem já aqui pelo país ao lado, por Espanha, vão à França, à Suíça, à Áustria e até à Croácia. Não sabem? Aprendam! Não sejam cúmplices do atentado que se faz ao nosso património urbano ou natural, tanto faz. Vejam as fotos e tenham vergonha na cara. Olhe, para si especialmente Srª Presidente da Câmara, parafraseando não me lembro quem. A História não se faz só com glórias. Faz-se também com misérias.









7 comentários:

Ana Carvalho disse...

Espero , Pré, que tenhas enviado por e-mail, este post para alguém com responsabilidades (e vergonha na cara) na Câmara Municipal de Almada.

Janita disse...

Parabéns Pre!
A isto chamo eu um exemplar acto de cidadania. A denúncia do estado miserável a que as Cãmaras Municipais deixam chegar o património que é de todos!
A imagens são bem eloquentes.
Beijinho.
Janita

Vítor Fernandes disse...

Na verdade, amigas, eu não sei até que ponto a CMA tem responsabilidade direta numa propriedade privada mas dou-vos um exemplo bem simples. Na aldeia onde nasceu a minha mulher e onde tenho uma casita, casa ela que esteja em ruinas é avisado o proprietário e máquinas para que vos quero. Arrasam mesmo e os donos têm de pagar as custas. Mas para isso há preceitos legais a cumprir e que são cumpridos.

Ali aló disse...

Parabens, o teu veneno contra a camara de Almada e principalmente contra a Maria Emilia continua em grande forma.

Vai ao boletim municipal de Almada de Setembro paginas 14 e 15 e lê com atenção até ao fim o que lá está.

Depois tenta informar-te de como todos estes processos não são tão simples como o de demolir uma casa em ruinas num pequeno "povo alentejano".

E já agora e para terminar diz a esses amigos seguidores do teu blog, para visitarem Almada, se querem conhecer a Cidade mais bonita e mais bem gerida deste País.

Almada Sempre!!!

PreDatado disse...

Ali aló, as fotos não te dizem nada?

Teté disse...

Não será só em Almada que situações deste género acontecem, mas facto é que este desleixo deprime qualquer um, especialmente os que lá vivem e amam a sua terra. Sim, porque além disto ainda há muita gente a degradar mais os locais, deitando lixo para o chão entre outros actos de puro vandalismo... :P

Beijocas!

A Luz A Sombra disse...

Venho do Olhares.com, estou a gostar do que vejo "lá" e do que vi aqui. Parabéns e pode crer que vou voltar, para ler e ver com mais tempo.
Até lá... BOA SEMANA.
A Luz A Sombra